Foto de família segurando um porquinho de cofrinho para representar a previdência privada.

Previdência privada? 7 coisas que você precisa saber!

Após muitas novidades durante a reforma da previdência, mais pessoas começaram compreender que não dá para contar com o governo quando falamos de aposentadoria. O melhor caminho é a busca pela independência financeira. Eu costumo dizer que investir pensando no futuro é uma necessidade básica. É de extrema importância pensar na sua aposentadoria, pois este é um momento onde a receita costuma diminuir, enquanto as despesas aumentam. E quando se pensa em investir a longo prazo, uma das primeiras coisas que nos vêm à cabeça é a previdência privada. 

Muitas pessoas têm escolhido fazer este tipo de investimento visando a segurança de sua aposentadoria. Então, para nos ajudar a entender as vantagens da previdência privada eu chamei um especialista no assunto, o assessor de investimentos Kramer Silva, e gravamos um vídeo para o meu canal do Youtube. E também quero compartilhar aqui alguns pontos indispensáveis para entender se a previdência privada vale a pena ou não para você.

Baixa rentabilidade

Apesar das vantagens, eu não acredito que investir apenas em previdência privada seja uma boa escolha. É interessante, sim, aplicar uma parte do seu patrimônio neste tipo de investimento, pois ele é seguro e possui algumas vantagens fiscais. Mas, justamente por ser uma opção bastante segura, a rentabilidade não costuma ser tão alta quanto em outras aplicações. Uma carteira com vários tipos de investimentos diferentes vai garantir segurança e rentabilidade para seu dinheiro

É fato que a previdência privada tem algumas vantagens. Você verá algumas ao longo deste artigo. Mas, acima de tudo, é importante que você não tenha preconceito com nenhum tipo de investimento e procurar as melhores alternativas dentro de cada um deles. Assim você saberá se vale a pena, ou não, colocar uma fatia do seu patrimônio neste tipo de aplicação. Afinal, só você sabe quais são seus reais objetivos e metas, sendo assim, é uma decisão individual. Mas sempre digo, todo investidor precisa ter uma carteira diversificada de investimentos. Então, parte do meu dinheiro fica em previdência privada e também em outros tipos de aplicações.

Abatimento no imposto de renda

A previdência privada lhe dá acesso a vantagens que você não tem com outro tipo de investimento. Um exemplo é que se você já for contribuinte do INSS, fizer a declaração pelo modelo completo e investir em um plano PGBL, conseguirá fazer a dedução de sua base tributária. Ou seja, você vai pagar menos impostos, pois conseguirá abater até 12% do valor tributável no seu imposto de renda. Em um investimento de longo prazo, como é o caso, isso poderá fazer diferença.

Planejamento sucessório

Se você investe visando também o futuro dos seus herdeiros, colocar uma fatia do seu patrimônio neste tipo de investimento pode ser uma boa escolha. Quando faz a contratação de um plano de previdência, você pode nomear um beneficiário. Ou seja, na sua falta, aquele valor que você acumulou irá para alguém previamente escolhido.

Outra vantagem é que a previdência não entra em inventário. Na prática, isso significa que você não precisará pagar o ITCMD, o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos, que possui uma alíquota de 4%. Além disso, o dinheiro da previdência privada costuma ser liberado em até 30 dias nestes casos. Diferentemente da herança comum que é mais burocrática e geralmente demora um pouco mais.  

Baixa alíquota

Outro diferencial desta aplicação é que, caso invista na previdência privada e opte pelo plano de tributação regressiva, após o período de dez anos, você só pagará um imposto de 10% em cima do lucro. Esta é, sem dúvida, uma das alíquotas mais baixas do mercado, pois nas aplicações tradicionais, geralmente se chega a 15% após dois anos de investimento. 

Como escolher a melhor previdência privada?

É fato que existem fundos de previdência com uma rentabilidade muito boa, e outros nem tanto assim. Os bancos, por exemplo, costumam render bem menos. Então, lembre-se de sempre conferir se tem taxa de carregamento. Essa é uma despesa administrativa cobrada por cada aporte que se faz. Um detalhe que acaba fazendo toda a diferença e, hoje em dia, muitas seguradoras independentes já estão isentando o investidor desta taxa. 

O ideal é escolher uma opção com taxa de administração mais baixa e observar a rentabilidade, pois ela não é a mesma em todos os lugares. Pelo contrário, pode variar bastante. Então é importante ficar atento a isso e fazer os cálculos para ver o que te traz mais vantagens. Existem boas opções no mercado com rendimento de 100% ou mais do CDI. Escolhendo abaixo disso, você estará deixando de ganhar dinheiro. 

Algumas outras escolhas que precisam ser feitas é entre o plano, que pode ser PGBL ou VGBL; entre o tipo de tributação, que pode ser regressiva ou progressiva; e entre o tipo de fundo, que pode ser renda fixa, fundo multimercado ou o fundo de ações. São vários os detalhes aos quais você deve se atentar. 

Caso queira saber mais sobre eles, o Kramer escreveu o Guia da Previdência Privada, que você pode baixar gratuitamente clicando aqui. Com certeza vai te ajudar bastante a clarear algumas dúvidas sobre o assunto.

Portabilidade

Outro ponto interessante sobre a previdência privada é a possibilidade de fazer uma portabilidade. Ou seja, migrar seus recursos de um fundo que esteja com baixa rentabilidade para outro onde você irá lucrar mais. O processo é feito 100% online e leva em média de 10 a 17 dias para ser finalizado. 

Previdência privada é seguro?

Muitas pessoas acabam ficando presas aos fundos de previdência de seus bancos por medo de investirem nas seguradoras independentes. Mesmo com uma menor rentabilidade. Mas a verdade é que existem várias opções seguras além dos bancos. Para se ter uma ideia, o órgão que regula este mercado, a SUSEP, fiscaliza todos os tipos de instituições e assegura que elas sigam as mesmas regras. 

Existe um valor de reserva que tantos os bancos, quanto as seguradoras independentes precisam ter de cobertura para eventuais problemas. Assim como os bancos possuem tradição, existem seguradoras mais conhecidas e com bastante tempo de mercado que podem trazer maior segurança ao seu patrimônio.

Leia também: Aposentadoria x Independência Financeira: qual a melhor opção para o futuro?

E você, qual o tipo de aplicação a longo prazo acha mais vantajosa? Tem mais alguma dúvida sobre previdência privada? Deixa aqui nos comentários!

All Comments:

Seu Comentário:

Posts Relacionados

10

out
Educação Financeira, Investimentos

Investidor iniciante? O que você precisa saber sobre a Selic

Muitas pessoas não fazem ideia do que é a taxa Selic. Recentemente muito se falou sobre ela por atingir a menor Selic da história (5,5% ao ano). Mas, percebi que muita gente não compreendia quais eram as consequências disso.  E o mercado não se importa o suficiente para explicar para a população. Mas eu me importo. Já […]

Dinheiro queimando para representar o dinheiro da reserva de emergência

08

out
Educação Financeira, Independência Financeira, Investimentos

Reserva de emergência de 6 meses? O que ninguém explica!

Muitos educadores financeiros defendem que você só pode investir depois de já ter uma reserva de emergência de aproximadamente seis meses. Ou seja, seis vezes o valor que gasta com suas despesas ao longo do mês, como contas, lazer, entre outros guardado em uma aplicação de renda fixa com liquidez diária. Dessa forma, caso algum imprevisto acontecesse,[…]