Empresas devem ensinar colaboradores a importância da educação financeira

A busca pelo aumento do bem-estar e da produtividade dos funcionários está provocando uma alta tendência na inclusão de educação financeira dentro das empresas. Atualmente, 84% de empresas norte-americanas possuem algum programa que auxilie o colaborador a lidar melhor com o dinheiro.

Os departamentos de RH já perceberam os bons resultados dessa prática. Em pesquisa realizada em 2017 pela PricewaterhouseCoopers (PwC), estima-se que uma empresa com 10.000 funcionários pode perder U$ 3.466.000,00 por ano, devido a problemas financeiros dos colaboradores.

Dos 1.600 funcionários entrevistados, 30% admite distração nas atividades do trabalho ocasionados por problemas financeiros. Eles chegam a utilizar cerca de três horas semanais no ambiente de trabalho para resolver pendências financeiras pessoais. Além disso, 12% dos colaboradores admitem faltas ocasionadas pelas preocupações financeiras, sendo uma causa de aumento do absenteísmo e diminuição da produtividade.

Problemas financeiros afetam negativamente o ambiente organizacional e diminuem a produtividade. No Brasil, 42% dos trabalhadores com altos níveis de preocupação financeira demonstram desatenção e pouca produtividade em seus empregos, segundo pesquisa realizada em 2015 pela CNDL e SPC Brasil (2015). Além disso, pelo menos 22% alegaram perder a paciência com os colegas de trabalho mais facilmente.

Como forma de reverter este quadro, surgem os programas de educação financeira. Existe um aumento gradual na percepção das empresas que o bem-estar do colaborador é fator-chave para o desenvolvimento da companhia.

Estudo norte-americano diz que o retorno dos investimentos em educação financeira é muito alto. Para cada dólar gasto, retornam três dólares.

É notório que o aumento do engajamento, da produtividade e da lealdade dos colaboradores traz grandes benefícios para as empresas, assim como a diminuição do absenteísmo (nome dado a ausências no ambiente de trabalho, seja por falta ou atraso).

Investir em ajudar o colaborador é investir na sua empresa e no tempo que se dedicou a treiná-lo.

Por fim, compartilho o pensamento de Liz Davidson, CEO da Financial Finesse:

“As empresas não deveriam estar perguntando o que custa para implementar um programa de bem-estar financeiro. Eles deveriam estar se perguntando, o que vai me custar se eu não fizer isso.”

Seu Comentário:

Posts Relacionados

30

abr
Educação Financeira

7 filmes e séries para você desenvolver uma mentalidade enriquecedora

São tantos acontecimentos e notícias que, em alguns momentos, o melhor que podemos fazer é tentar relaxar a mente. Sendo assim, no post de hoje resolvi compartilhar algumas indicações de filmes e séries que vão ajudá-los não só a relaxar, como a criar uma mentalidade enriquecedora. Então, além de tranquilizar, essas obras trazem ótimas reflexões sobre nossas […]

Mulher ruiva com máscara para representar organização financeira em tempos de coronavírus

02

abr
Educação Financeira

5 dicas de organização financeira em tempo de Coronavírus

Os efeitos do Coronavírus são em todas as áreas possíveis, e não seria diferente nas nossas finanças. Sendo assim, resolvi compartilhar aqui algumas dicas pontuais sobre organização financeira para esse período. Sei que será bem complicado para muitas pessoas, e nem sempre essas dicas vão ser suficientes para salvar você do vermelho nas dívidas. Mas espero que,[…]